Logo
 
Notícias


Evento de Confraternização

Envie essa matéria para um companheiro
 
inscrições para o 7º Prêmio Polícia Cidadã
Qua, 17 de Junho de 2015 16:32

O Instituto Sou da Paz abre, a partir de 1º de junho, inscrições para o 7º Prêmio Polícia Cidadã, cujo objetivo é dar visibilidade às boas ações da polícia de todo o Estado de São Paulo.

Policiais civis, militares e técnico-científicos podem inscrever projetos com foco na diminuição de roubos e concorrer a prêmios de até R$ 20 mil.

O tema “Redução de roubos” foi mantido por ainda representar um dos principais desafios da segurança pública do Estado de São Paulo.

Os roubos impactam fortemente a sensação de segurança da população, atinge todas as classes sociais e segue em patamares muito elevados tanto na Capital quanto em todo Estado, com aproximadamente 310 mil registros anuais.

Os projetos inscritos serão avaliados por uma comissão formada por especialistas em segurança pública e policiais de outros estados.

Dentre os itens que serão valorizados estão a redução efetiva do crime de roubo, a criatividade e inovação da ação, além da integração entre as polícias e o potencial de replicação.

As três iniciativas mais bem avaliadas receberão prêmios em dinheiro nos valores de R$ 20 mil, R$ 12 mil e R$ 8 mil, além de menções honrosas e “Escolha Popular”. Mais de 40 ações já foram premiadas nas seis edições anteriores.

“Além de reconhecer bons policiais, o objetivo desta edição é disseminar ações capazes de reduzir o roubo. Acreditamos que com o reconhecimento e a merecida visibilidade essas boas práticas possam influenciar um novo padrão de policiamento e estimular novas iniciativas”, afirma Ivan Marques, diretor executivo do Instituto Sou da Paz.

O Prêmio Polícia Cidadã é apoiado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Clique aqui e conheça os projetos contemplados na última edição.


Inscrições:
As inscrições deverão ser feitas pelo site www.soudapaz.org/premiopolicia a partir de 1º de junho até 24 de julho.

Veja aqui o vídeo de apresentação do Prêmio.

Dúvidas e outras informações:

E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Telefone: (11) 3093-7333 (das 9h às 18h)


Envie essa matéria para um companheiro
 
Entrevista Radio Band FM
Seg, 15 de Junho de 2015 20:27

 

Maria Ap. de Queiroz
Presidente do Sinpol Sorocaba

 

 

 

Clique para Ouvir Play
parte 1

parte 2

Envie essa matéria para um companheiro
 
Reivindicações dos policiais
Sex, 08 de Maio de 2015 16:51
Quatro meses depois, governo de SP ainda não se manifestou sobre reivindicações dos policiais civis
Passados quatro meses após os policiais civis de São Paulo terem apresentado (em janeiro) as reivindicações da categoria ao delegado geral Youssef Abou Chahin, até agora não houve resposta.

Em 10 de fevereiro, os sindicalistas que representam os policiais civis também se reuniram com o secretário adjunto da
Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho. Com ele, cobraram informações sobre os encaminhamentos feitos no
mês anterior ao delegado geral. Desse encontro, também não houve retorno.

Os principais itens da pauta de reivindicações consistiram nos seguintes assuntos: data-base dos policiais civis (1º de março); a
paridade das aposentadorias da Lei 144/2014; a aposentação na classe em que o policial civil se encontra, pois hoje ele retrocede ou tem que permanecer cinco anos na mesma classe; o tíquete alimentação igual ao dos policiais militares; a reestruturação de carreira.

A presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) de Sorocaba, Cidinha Queiroz, participou das reuniões de janeiro e
de fevereiro com as autoridades do governo estadual.

Mesmo que ainda não tenha havido respostas, Cidinha acredita na disposição de diálogo e de boa vontade do governador Geraldo Alckmin para com a categoria dos policiais civis, tendo em vista a importância desses trabalhadores para a política de segurança pública do governo do Estado de São Paulo.

“Acredito que o governador não vai nos deixar na mão, porque ele sabe das necessidades da segurança pública”,
declara Cidinha.

SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO DE SOROCABA

Tel.: (15) 3202.2344

Assessoria de Imprensa/Carlos Araújo: 3318.2898 e 99126.4670

Policiais civis de todo o Brasil querem unificação com os salários do Distrito Federal

A luta por salários para os policiais civis correspondentes aos praticados no Distrito Federal (DF) continua sendo a grande reivindicação da categoria em todo o Brasil.

A avaliação é da presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) de Sorocaba, Cidinha Queiroz. Ela participou do Congresso Interestadual dos Policiais Civis no Ceará, nos dias 26, 27 e 28 de março.

No evento, a unificação dos vencimentos dos policiais civis tomando o DF como referência marcou os
principais momentos dos debates.

De acordo com Cidinha, o piso salarial no DF é especificado em dois grupos de acordo com as funções na carreira:

- R$ 8.698,78 (inicial) para agente de polícia, escrivão de polícia, papiloscopista policial e agente policial de custódia.

- R$ 16.830,85 (inicial) para peritos criminais, médico legista e delegado de polícia.

“A luta é por esse salário”, afirma Cidinha.

O Congresso também foi marcado pela fundação da Confederação dos Policiais Civis da Região Nordeste (Cobrapol).

Além de todos os Estados do Nordeste estarem representados no evento, também prestigiaram o encontro sindicalistas da categoria dos policiais civis de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
Envie essa matéria para um companheiro
 
1º Confeipol Nordeste, foi um marco

Com a participação das quatro federações das regiões Sul, Sudeste, Centro Oeste norte e nordeste, e os sindicatos de Alagoas, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Sergipe, Tocantins, Piauí, Bahia, São Paulo, Espirito Santos, Paraná, Rio de Janeiro e Ceara no período de 26 a 28 de março a 1ª a primeira CONFEIPOL/NE. A CONFEIPOL/NE, foi presidida brilhantemente pelo atual presidente da Feipol Nordeste Bernardino Gayoso que teve todo o apoio logístico do anfitrião Gustavo Simplicio Moreira, presidente do Sinpol Ceará.

A palestra de abertura foi conduzida pelo presidente do SINDPOC/BA e diretor da FEIPOL/NE Marcos Maurício com o tema: O fracasso de um modelo ineficaz de polícia. Marcos apresentou dados sobre a atual situação da Segurança Pública e indicou mudanças no modelo de gestão como solução para os principais problemas.

No segundo dia do Congresso, o diretor de formação sindical da Nova Central – NCST – Sebastião Soares fez uma análise histórica a respeito da estrutura sindical brasileira visando capacitar os presentes nas tomadas de decisões e resoluções de problemas que envolvam a organização representativa.  Para tanto, o sistema sindical brasileiro faz do sindicato a célula territorial, federação regional e a confederação nacional. Além das centrais sindicais que tem um papel importante de agregação e unificação de luta por seguimento.

Para o diretor da FEIPOL Centro-oeste e Norte Francinaldo Freire “a conscientização dos presentes sobre a necessidade de participação ativa nos diversos fóruns e órgãos que debatem e representam os policiais é de suma importância. A organização do sistema confederativo de representação sindical é o ponto chave para atingirmos esse objetivo”, afirmou Freire.

A presidente do SINPOL/Sorocaba Maria Aparecida de Queiroz Almeida reiterou que “o Congresso foi de grande valia, pois houve um avanço no que diz respeito à conscientização pela união de todos os policiais civis do Brasil. Pela primeira vez representantes de todas as federações estiveram reunidos para um bem em comum, que são os assuntos de interesse dos policiais civis”.

Durante o Encontro, foram discutidos ainda o acompanhamento de diversos projetos de leis, emendas constitucionais e proposituras a nível estadual e nacional que merecem relevante atenção das entidades sindicais.

O vice-presidente da FEIPOL/CON Ciro de Freitas deu destaque especial ao projeto de futura emenda à constituição, que será objeto de novas discussões regionais e posterior apresentação às categorias, que trata da reserva de vagas aos servidores policiais quando desejarem mudança de classe nas carreiras de sua instituição. Ciro explicou que “a PEC tem como propósito dar oportunidade aos policiais que almejam exercer os cargos de delegado de polícia, perito criminal e legista, já que a Proposta prevê uma reserva de 50% da quantidade das vagas dos concursos aos profissionais que já são policiais”.

A nova diretoria do SINPOL/PE participou do Congresso e propôs a filiação à FEIPOL/NE e se comprometeu a ratificar junto a base, na próxima assembleia da categoria de seu estado. “A filiação à FEIPOL/NE é de extrema importância para a base de Pernambuco, visto que será um passo a integração do sindicato para uma luta nacional em prol da modernização da polícia brasileira”, afirmou Áureo Cisneiros presidente do SINPOL/PE.

Bernardino Gayoso que é presidente da FEIPOL/NE e secretário-geral do SINDPOC/BA avaliou o 1º Congresso como um exemplo de união e força para a polícia civil brasileira. “As discussões aqui realizadas servirão como ponto de partida e esboço a serem seguidos pelas demais entidades policiais, pois mesmo com posicionamentos distintos houve uma demostração de qualidade elevada em qualquer projeto que envolva as policias civis a nível nacional”, concluiu o presidente.

O vice-presidente do SINDPOL/AL Carlos José externou em seu discurso que o descontentamento com a atual Confederação não se resume apenas ao que não foi feito pela categoria, mas também ao que jamais terá condições de realizar. E acrescentou ainda que por esse motivo deverá ser tomada uma decisão que mude a realidade caótica de uma representação confederativa de policiais civis.

Para o presidente da Feipol Sudeste, Aparecido Lima de Carvalho (KIKO), o grande trunfo desta CONFEIPOL/NE, foi que em todas as decisões tomadas, foram após discussões acaloradas mas que chegaram-se ao um consenso. Também foi bastante positivo o fortalecimento da Federação Nordeste com a inclusão dos estados de Alagoas e Pernambuco como novos filiados, ainda que será feita a consulta a suas bases o que consequentemente irá fortalecer a representatividade em toda região Nordeste.

“Em novembro de 2014, durante a realização do 10º CONFEIPOL, na cidade de Campo Grande/MS, foi deliberado que seria discutido neste Congresso o sistema de representação sindical, especificamente a reestruturação da Confederação dos Policiais Civis, uma vez que fora acordado entre as entidades a efetiva atuação das federações em ações conjuntas, e nessa oportunidade percebemos que estamos no rumo certo”, reiterou o diretor da FEIPOL/CON Marcus Monteiro.

No encerramento do encontro, foi deliberada a criação de uma comissão paritária composta por dirigentes das federações, que desenvolverão o trabalho preparatório a fim de reestruturar e consequentemente legalizar uma Confederação que realmente possa atender os anseios de suas bases filiadas. “Por enquanto temos um arremedo de entidade que jamais fez a entrega de um único avanço às policiais civis do Brasil. É preciso mudar essa realidade caótica que mais engana que constrói possibilidades”,

Participarão da CONFEIPOL/NE, os presidentes das quatro federações, Aparecido Lima de Carvalho (KIKO) presidente da Feipol Sudeste, Bernardino Gayoso presidente da Feipol Nordeste, Divinato da Conceição, presidente da Feipol Centro Oeste Norte, Ademilson Batista, presidente da Feipol Sul e o Vice presidente da Cobrapol Andre Gutierrez.






Envie essa matéria para um companheiro
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 1 de 49

 

 

 

 

logorodape.png
telefones.png